Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Parado.

por Fernando Lopes, 29 Mar 14

Há momentos em que a vida pára. Não no sentido de morte, mas na encruzilhada em que não  estamos certos do caminho a seguir. Continuamos fiéis a ideais e princípios transformando-nos numa imitação barata de Quixote, adaptámo-nos ao tempo estranho que corre, deixámo-nos ir na corrente ou nadamos vigorosamente contra?

 

Não tive vontade de sair do quente e recolhido útero materno, debati-me 7 horas para levar com este mundo nas ventas. Na verdade não nasci, obrigaram-me, pressentia que tudo o que se recorda são efemeridades de fortuna e alegria. Nasci roxo, como qualquer criança que luta para não nascer. De forma estranha, quase premonitória, vinha com a cor do luto em mim.  

 

Assim, perdido e parado, olho em volta sem saber o rumo. Melhor manter a cerviz direita, escolher um destino e seguir a estrada. A algum sítio me há-de levar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

2 comentários

De golimix a 30.03.2014 às 20:09

Não importa onde chegues desde que seja onde escolheste. Pois, lindo, pensas tu. E onde quero eu chegar?

O tempo... esse será sempre teu amigo.

Ao contrário de ti fui uma apressada Queria conhecer o mundo, não nasci prematura mas obriguei a minha mãe a andar com calma para eu não saltar cá para fora. Mas desde que nasci que também luto pela vida! Nasci com o cordão umbilical à volta do pescoço, e se consegui ultrapassar isso com uns segundos de vida porque não hei-de ultrapassar o resto?

Vais ver que te vais livrar do "cordão" que te aflige!

Entretanto

De Fernando Lopes a 30.03.2014 às 22:09

Tens razão Goli , é preciso lutar com dignidade, o resto será ultrapassado.

Obrigado, amiga.

Comentar:

De
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.
Comentário
Máximo de 4300 caracteres

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

subscrever feeds