Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O direito de morrer em paz.

por Fernando Lopes, 23 Ago 14

Leio no Público sobre a associação Dignitas e o suicídio medicamente assistido. Escapa à minha compreensão a polémica que possa existir em torno de alguém com uma doença terminal ou incapacitante seja impedido de decidir o momento da sua morte. Assisti à agonia do cancro ou Parkinson e numa situação idêntica gostava de poder decidir sobre a hora da minha partida. Nascemos porque alguém o escolheu por nós, porque se amou, até por mero acaso.  Uma vez que o direito à existência não foi opção nossa que o seja o direito à morte em situações de sofrimento e degeneração. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

1 comentário

De Gaffe a 24.08.2014 às 16:05

Há,para minoriar o dilema, desde Julho de 2014 (embora a Lei seja mais antiga) a possibilidade de efectuarmos a DAV - "Directiva Antecipada de Vontade", que depois de aprovada por um médico devidamente credenciado se transforma em Testamento Vital. É útil e fácil. Basta que o interessado se dirija a uma sede de uma Agrupamento de Centros de Saúde  e solicitar a minuta da DAV, preenchendo-a como considerar conveniente e assinando-a presencialmente, ou enviar o documento com assinatura reconhecida pelo notário. Pode obedecer aos itens sugeridos ou ser um texto livre.
Ajuda imenso e é de certa forma tranquilizador.

Comentar:

De
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.
Comentário
Máximo de 4300 caracteres

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...

  • Anónimo

    Não volta?!Vá lá...Escrever faz bem...e ler também...

  • Anónimo

    Que será feito do gerente desta coisa?Filipe em es...

subscrever feeds