Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O cabo Almeida.

por Fernando Lopes, 2 Out 14

Nos idos de Março, o cabo Almeida fez furor por ter dado um show de strip-tease com a arma de serviço. Exibiu o militar, além do material de peleja, depilado rabinho e vistosos abdominais, para gáudio da raparigada. Nada me move contra cabos da GNR ou espectáculos eróticos. Com as remunerações que todos auferimos não me surpreende que o jovem se sentisse tentado a reforçar o modesto pecúlio.

 

Leio agora que, além de jeitoso, o cabo é também trabalhador, pois naquele 8 de Março actuou quatro vezes, performance digna de registo. Querem julgá-lo por «comércio ilícito de material de guerra». Parece-me mal. Primeiramente porque não creio que tivesse intenção de comerciar a Glock, em seguida porque as espectadoras estariam interessadas em outros produtos e serviços que não uma pistola. A não ser que nos estivéssemos a referir à «espingarda de carne», horrorosa metáfora, ao que sei de Lídia Jorge, para pénis. Quem se refere a um pénis como «espingarda» concentra-se demasiado no que é exibido e não no que se faz com ele, além de demonstrar uma visão bélica do acto sexual, que, de todo, não partilho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

2 comentários

De Carla a 04.10.2014 às 15:20

A metáfora pode não ser a melhor, mas olha que , às vezes, quando os ânimos serenam, ambiente e envolvidos mais parecem saídos de um cenário de guerra. (;

De Fernando Lopes a 04.10.2014 às 17:22

Muitos séculos de sexualidade feminina reprimida. É compreensível que a «libertação» dê lugar a alguma euforia.

Comentar:

De
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.
Comentário
Máximo de 4300 caracteres

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

subscrever feeds