Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fugitivo.

por Fernando Lopes, 18 Out 16

palito.jpgFoto retirada da página de Manuel Palito no Facebook.

 

Sempre que se dão estes casos de fuga como o de «Manuel Palito», ou agora do «Piloto», o meu coração fica dividido. Se por um lado penso que devem ser apanhados, julgados e condenados se tal for o caso, por outro romantizo com a fuga e o individuo que durante dias ou semanas consegue escapar ao longo braço da lei. Há algo de western nestas escapadas que me faz ser infantil, extemporaneamente infantil.

 

Sou portuense, e os tripeiros não acatam bem a autoridade. Aqui, no calão antigo, um cocó de cão é um «polícia». Para ver o nosso respeito à ordem e lei. Já dei comigo a avisar «olhó polícia» e amigos de outras cidades procurarem o agente em vez de olharem para o chão para não pisarem o «presente».

 

Não será facilmente compreensível esta necessidade de torcer pelo mau, mas é da minha natureza. Mesmo quando o fugitivo é um assassino o meu inconsciente espera sempre que ele se evada pelo máximo tempo possível, dê água pela barba aos agentes. Depois existe a desumanização que os media fazem destes homens, dando-lhes sempre apelido. Foi assim com o «Palito», agora com o «Piloto». Isto faz-me torcer ainda mais por esta gente pouco recomendável. Perdoem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

9 comentários

De alexandra g. a 18.10.2016 às 20:23

É muito provável que este texto tenha uma relação - também ela muito - directa com o texto anterior...


:)

De Fernando Lopes a 18.10.2016 às 20:37

Não sei, tendo sempre a torcer contra a autoridade. É carácter tripeiro e pessoal.

De alexandra g. a 18.10.2016 às 21:20

Hum. Acho que é mais generalizado do que possas pensar :)

De Fernando Lopes a 18.10.2016 às 21:27

Até tu, Alexandra, minha filha?(*)


_______________________________
(*) Bitaite de carácter histórico. :)




De alexandra g. a 18.10.2016 às 21:33

Tu não me digas que a tua mocinha linda, e da tua mulher - se chama Alexandra!? :D


_______
p.s. - a História é muito seca, vejamos, uma pessoa tem que estar sempre nas entrelinhas e a ler os concorrentes ao prémio da melhor interpretação (lembro-me de pensar nisto, com óbvio prazer, durante o curso para guia-intérprete :)

De Fernando Lopes a 18.10.2016 às 21:44

Nã. Mas o parricídio sempre me pareceu uma ideia interessante. ;)

De alexandra g. a 18.10.2016 às 21:53

Portanto. :)
Também eu tive problemas com o meu pai (militar, etc.), mas passei-lhe uma rasteira aos 18 anos, saindo de casa. Nada disto consiste somente em mérito próprio, mas é também um facto que não me passou pela cabeça que alguém na família me ajudasse depois do facto. Ajudaram, mas cobraram a vida toda, e estão agora a levar na pinha, ...


O meu pai era, ali entre os 12-18 anos, a 'sociedade'.
Não me parece que sejas nada disso, de resto, já aqui afirmaste que a tua menina te escolheu para um almoço (recordo bem?), 'preterindo' outrem.


Enjoy! :D

De alexandra g. a 18.10.2016 às 22:13

p.s. - tenho saudades do meu pai, que sei ter morrido com vários arrependimentos (aquilo, por ex., de considerar que as filhas não precisavam de estudos superiores - pausa para ahahah, quando fomos sempre alunas muito melhores que os manos e isto nada diz quanto à inteligência deles, de todo).


p.p.s. - abomino esta tentativa dos familiares maternos que ainda tentam, sabendo que não dá mesmo, cobrar hoje os gastos com a minha presença dita obrigatória, tóxicos. Até a minha minha mãe concede, nesta minha ausência de resposta :)

De Fernando Lopes a 18.10.2016 às 22:24

Não sei o que sinto em relação ao meu. Assunção Cristas defini-lo-ia como «incapacimento de sentir». É mau, mas é o que é.

Comentar:

De
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.
Comentário
Máximo de 4300 caracteres

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • Anónimo

    Quando a sorte é maniversa nada vale ao desinfeliz...

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...

  • Anónimo

    Não volta?!Vá lá...Escrever faz bem...e ler também...

subscrever feeds