Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

E o MEC disse o que sou incapaz de verbalizar.

por Fernando Lopes, 1 Mai 14

Como escritor, não posso traçar uma linha sobre aquilo que escrevo e o que não escrevo. Não posso pensar: «Estarei a ir longe demais?» Eu quero expor-me o mais possível! Todos os escritores que admiro são os que se expõem. Ser escritor é expormo-nos. Uma pessoa tem de correr o risco de não ter graça, o risco de passar too much information  [informação excessiva], ou informação íntima que não interessa absolutamente nada… Não há confissão excessiva. As pessoas podem sentir-se desconfortáveis com essa confissão, mas o dever do escritor é expor-se, expor-se, expor-se. E escrever também tem um lado de catarse e de desafio em que uma pessoa desabafa à frente dos outros, desata aos gritos, a bater com os punhos de revolta, e não tem vergonha de o fazer.

 

Hoje pensei recorrentemente em suicídio uma vez mais...

Autoria e outros dados (tags, etc)

2 comentários

De Efeminúsculo a 01.05.2014 às 20:42

Isto não ajuda nada. Devia privá-lo da minha opinião mas partilho da sua "angústia." Muito vezes pondero se o meu fim não será esse. Tenho muitas certezas! As dúvidas começam a escassear, não sei se me entende. Acho que sim! Há dias que são autênticos terramotos emocionais. Não há um palmo para onde fugir à "perdição" certa. Quem desmorona não é o meio, somos nós! Não fica nada de pé. Muito, muito a custo e nem sei como, se lhes sobrevive. Acho o texto de MEC simplesmente fantástico muito do que sinto. Tenho medo de me expor, por outro lado estou-me nas tintas e exponho. Além de não me sentir confortável deito tudo para o lado e quem quiser que pense, ou adivinhe. Ando ultimamente a atravessar terramotos de mais. Com declives e picos pavorosos. Parece que estamos num vórtice demoníaco! O álcool francamente não é uma ideia. Passada a "ressaca" está ali tudo, mais a dor de cabeça e a garganta como papel. Ofereço-me para tentar ouvir. Enquanto se fala, de nada e tudo, o tempo passa e damos por nós a rir. Afinal ultrapassou-se e... Venha a próxima! Obrigada por me permitir comentá-lo e perdoe-me se dizer algo parvo ou que lhe desagrade não é intencional, mas o que sinto e como sou. Um excelente resto de feriado e bfsemana

De Fernando Lopes a 01.05.2014 às 21:06

Não se desculpe de partilhar a sua opinião, só assim um blogue como este faz sentido, caso contrário seria um longo e entediante monólogo. Tenho uma personalidade limite, isto é, oscilo com facilidade entre a euforia e a angústia. Esses terramotos de que fala também os sinto, e em determinados momentos nada faz sentido. Depois, um dia de sol, um sorriso, um amigo, fazem toda a diferença e tudo se recompõe. Este sobe-e-desce emocional está na minha (e ao que parece na sua) natureza, por isso acho nos compreendemos.

Comentar:

De
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.
Comentário
Máximo de 4300 caracteres

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

subscrever feeds