Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Das praxes, praxados e afins.

por Fernando Lopes, 28 Jan 14

Nos anos 80 as praxes eram uma quase ausência. Vieram pela democratização do ensino superior, pelas universidades privadas a querer exibir tradição inexistente. Com a proliferação de (re)cursos nos anos 90, o neto da Zulmirinha, caseira do sr. dr., filho do Tony, ladrilhador de 1ª, recentemente entrado em Engenharia de Minas com espantosa média de 9,5, sentiu-se igual à velha aristocracia. Vá de praxar, numa vingança de classes, ele que nunca viu a avó tomar banho, achava normal que se tapasse o forno com bosta, coçava os colhões em público enquanto escarrava, como sempre viu os seus fazerem. Mas era dr. ou eng. num qualquer curso em as propinas asseguravam percurso tranquilo a quem possuísse conhecimentos equivalentes ao Trivial Pursuite Junior. Como epidemia, propagou-se. Quem foi criado na bosta pode encher-se dos mais caros perfumes, mas a dita dificilmente lhe sairá da corrente sanguínea. E não, isto não é teoria classista, é educação básica, bem que escasseia da primária às velhas universidades. É necessário ser claro, a massificação do ensino falhou, senão na parte académica – e mesmo aí tenho sérias dúvidas – na formação cívica e de cidadania. Caso contrário as praxes seriam um capítulo negro votado ao esquecimento.

Autoria e outros dados (tags, etc)

1 comentário

De André a 28.01.2014 às 10:59

O único problema neste texto é que se esquece que a privada não é para o pobre coitado que não tem maneiras, é para o filho do senhor doutor que não quis trabalhar para a média de 14 ou 15 que lhe exigiam na pública, então entrou com o 9,5 na privada (e já pode ser doutor como o pai e o avô). O filho do pobre, o que chega à faculdade, esforça-se para aprender e evoluir, o filho do rico, está-se a borrifar e quer-se divertir.
Essa teoria da massificação do ensino para o pobre que acabou por destruir o ensino só funciona na medida em que o filho do pobre é obrigado a estar na escola, e não quando é ele que tem de se esforçar para lá estar.
"E não, isto não é teoria classista, é educação básica".

Comentar:

De
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.
Comentário
Máximo de 4300 caracteres

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

subscrever feeds