Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Da ausência de empatia ao paternalismo.

por Fernando Lopes, 19 Out 17

marcelo.png

 

Marcelo sabe interpretar como ninguém o sentimento do povo. Talvez não do povo todo, mas do taxista, da vendedeira do Bolhão, do homem do talho. Não é desprimor para estas classes profissionais, são apenas um exemplo de um certo sentir geral. Costa e Constança manifestaram uma frieza perante a tragédia só explicável porque os citadinos vêem o campo como algo de distante, que já lhes não pertence, uma realidade paralela. Não é de perdoar.



O governo foi inábil? Certamente. Teimoso? Acho que sim. O que povo e a CMTV querem é gente chorosa a lambuzar o presidente. Não omitindo a gravidade de cem mortes – cem, um número que assusta – preocupa-me igualmente que o presidente sinta a necessidade de fisicamente ir oferecer um ombro amigo a quem necessite de depositar a sua tragédia nas espaldas do mais alto magistrado da nação. A postura de Marcelo, ditada também pelos media, de Jesus Cristo enfatiotado, a dar longos abraços e beijinhos, encerra mais que empatia, paternalismo. Esteve tão mal quanto o governo pelas razões opostas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

1 comentário

De Anónimo a 20.10.2017 às 09:37

Padrinho, procura saber se o homem tem espaço na agenda para me vir dar um abraço. Para todos os efeitos estou em estado calamitoso.
Filipe a meter cunha

Comentar:

De
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.
Comentário
Máximo de 4300 caracteres

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • Anónimo

    Quando a sorte é maniversa nada vale ao desinfeliz...

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...

  • Anónimo

    Não volta?!Vá lá...Escrever faz bem...e ler também...

subscrever feeds