Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A pergunta.

por Fernando Lopes, 11 Jan 16

o-marciano.jpg

 

Na juventude era consumidor ávido de ficção científica e fantasia em duas colecções de livros de bolso, «Argonauta» e da Europa-América. Há mais de uma vintena de anos que não pegava num livro do género, mas todo o ruído no Goodreads e na net em geral levaram-me a adquirir «O Marciano» que viria a dar origem ao filme «Perdido em Marte» protagonizado por Matt Damon.

 

À parte uma série de patuá científico que as mais das vezes me passou ao lado, é um livro escrito num estilo simples, quase coloquial, onde as peripécias da personagem se sucedem a um ritmo acelerado, mantendo o leitor preso. No fundo é a história de um Robinson Crusoe do futuro, arraçado de MacGyver, com enorme sentido de humor e capacidade de rir de si mesmo e da sua desgraça.

 

Uma das coisas que mais me diverte é ver se os filmes baseados numa determinada obra se mantêm fiéis ao original, e se a minha imaginação foi superada pelo milagre do cinema. Para dizer a verdade a maior parte das adaptações são muito piores que os livros. Lembro-me da honrosa excepção de «O Senhor dos Anéis» em que algumas vezes abri a boca de pasmo para dizer com os meus botões: isto está melhor do que tinha imaginado.

 

O livro, para exponenciar as vendas, vinha com uma sobrecapa referente ao filme. A minha filha ao vê-lo não resistiu à pergunta sacramental.

 

- Pai, esse livro não existe em filme?

- Sim.

- Então porque é que estás com esse trabalho todo?

- Quero imaginar antes de ver o filme.

 

Uma questão inocente de uma criança de 10 anos que estou certo seria replicada pela maioria dos adultos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

2 comentários

De Pseudo a 11.01.2016 às 21:54

São poucos os miúdos de hoje em dia que se dão ao trabalho de imaginar. Fazem parte da geração do "imediato", "aqui, agora e já". Lido com eles durante o dia, eles e elas à espera que a aprendizagem de conteúdos aterre dentro dos seus neurónios, sem grande esforço. Já em casa, é um bocadinho melhor. Contudo, entre filme e livro, a escolha é óbvia. Já gostou mais de ler, já. E eu continuo a insistir que leia e a comprar-lhe páginas e a dar-lhe exemplo quase diariamente.

De Fernando Lopes a 11.01.2016 às 22:35

Ela há lá algo mais divertido que imaginar! Ler dá trabalho, requer hábito, disciplina, gosto. Para mim é algo tão natural como comer, mas fui criado num tempo em que a televisão só dava desenhos animados ao fim-de-semana e sabe Deus todos os estímulos audiovisuais que hoje existem eram também eles ficção cientifica. Comecei com os livros dos «Cinco», «Sete» e banda desenhada, mas não julgo os miúdos, provavelmente se fosse da geração deles não seria muito diferente. 

Comentar:

De
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.
Comentário
Máximo de 4300 caracteres

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

subscrever feeds