Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A filha da putice como modo de vida.

por Fernando Lopes, 6 Set 16

Portugal é local onde a filha da putice prospera. Provavelmente assim será noutros pontos do globo, parte intrínseca da natureza humana. De alguma, pelo menos. Sou um tipo relativamente tolerante, aceito que se tente tramar o outro se estamos apaixonados pela mulher dele, se isso significa uma enorme progressão profissional, se existe fabulosa herança no horizonte. O problema é que a filha da putice por causas, digamos, «aceitáveis», é uma raridade, cada vez mais há filhos da puta por vocação ou desporto. No meio amoroso, académico, profissional, a sociedade está cheia de pequenos seres, de carácter ainda mais diminuto, que por prazer sádico, se dedicam a lixar a vida do vizinho. A filha da putice tornou-se um atributo socialmente aceite, ocasionalmente valorizado, como as boas maneiras à mesa, saber cozinhar, falar inglês. Um dos motores da filha da putice é o medo. Medo de não ser amado, de não conseguir a única vaga para efectivo do departamento, de fazer má figura, de ser despedido, do outro. Será que os fins justificam os meios? Duvido. A filha da putice tornou-se coisa corriqueira, aceitámo-la com normalidade, como se fosse uma característica inerente a todos os humanos. Não é, não a devemos encarar como tal, sob risco de estamos a ser colaboracionistas com este ocupante silencioso e corrosivo. Como combatemos a propagação desta praga? Com a única coisa que estes seres abjectos realmente temem: carácter, honestidade, frontalidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

2 comentários

De Anónimo a 07.09.2016 às 07:16

Temem mas aumenta a filha da putice por, precisamente, terem inveja do carácter, honestidade e frontalidade.
Recentemente, estive a fazer preparação cólica, sem comer 1 dia e a ver o dobro de doentes que devia ver. De tarde, quando enchia o recipiente de água passou "chefe", e estupidamente, disse-lhe, então sabes que estou a fazer isto mais o dobro dos doentes e nem um interno do ano comum a acompanhar (mais que um com os outros)...estava esgotada, pq não costumo dar assim o flanco. Sorriu e respondeu tens a casa de banho em frente...

De Fernando Lopes a 07.09.2016 às 07:28

Profissionalmente vivemos tempos complicados, com muita competição apenas por instinto de sobrevivência. É assim em todo o lado segundo me dizem.

Comentar:

De
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.
Comentário
Máximo de 4300 caracteres

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...

  • Anónimo

    Não volta?!Vá lá...Escrever faz bem...e ler também...

  • Anónimo

    Que será feito do gerente desta coisa?Filipe em es...

subscrever feeds