Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Estas no son mis armas!

por Fernando Lopes, 19 Ago 11


Longe de ser um perigoso revolucionário ou agitador tenho dificuldade em aceitar o pacifismo incondicional. Vindo do budismo ou hinduísmo aceito-o mais facilmente porque sucede a uma matriz cultural e religiosa. Já não entendo os "indignados" espanhóis que apanham porrada de criar bicho e agitam as mãos gritando "estas son nuestras armas".

Não me verão atirar a primeira pedra nem cair na esparrela dos agents provocateurs, mas não esperem de mim a cristã atitude de levar e oferecer a outra face. 

O recurso à violência legitima violência. Vem esta prosa a propósito da carga exercida sobre os manifestantes "laicos" nas Puertas de Sol. Sem provocação ou agressão o direito à manifestação é legítimo tanto para os católicos como para quaisquer outros. O estado espanhol exerceu a sua laicidade à bastonada, provando que de laico tem muito pouco. Torquemada toma novas faces, deixando medievas vestes inquisitoriais e travestindo-se de polícia de choque. Quando provocado e havendo pedras à minha volta, serão essas as minhas armas.

UpdateSegún el sindicato policial, "en las imágenes difundidas no aparecen razones de seguridad ni restablecimiento del orden que justifiquen dichos golpes".
Via: Publico.es/Der Terrorist

Autoria e outros dados (tags, etc)

1 comentário

De Fernando Lopes a 19.08.2011 às 22:21

Nuno,

Mais do que o dinheiro (e há que reconhecer que os peregrinos também geram receita) o que me perturba é o Estado, através da polícia, assumir-se como parte da "contenda". Cumprir-lhe-ia prevenir ou minimizar conflitos e não ser parte activa, flagrantemente a favor de uma das partes. Hoje proíbem e agridem manifestantes laicos, amanhã pode ser outra causa qualquer ...

Um abraço e os meus agradecimentos pelo seu contributo,

Fernando

Comentar:

De
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.
Comentário
Máximo de 4300 caracteres

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

subscrever feeds