Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O divórcio de António

por Fernando Lopes, 6 Jan 12


O divórcio foi para António, mais do que um renascer, uma libertação. A sua ex-mulher, com manias de intelectual e traços obsessivos, há muito que, como um buraco negro, lhe havia tragado a luz e o brilho.

E António era um profissional de sucesso, respeitado, um homem bem-parecido, que apesar dos seus 45 anos, corporizava os sonhos femininos. Alto, magro, tez morena e olhos claros, feições finas, um ar vagamente entre o artista e a estrela rock. Liberto das grilhetas das obrigações familiares e conjugais, António viveu durante anos uma vida dissoluta. Ninfetas pouco mais velhas que as suas filhas, modelos, jovens artistas fascinadas com a sua sensibilidade, todas passarem pelo seu leito.

Os amigos, com genuína admiração e alguma inveja, aconselhavam-no a procurar poiso certo. Preferia as ligações sem compromissos, jogos de sedução inconsequentes, avançou sempre enebriado para um vórtice de mulheres cada vez mais jovens, mais sedutoras.

O brilho esmoreceu, a idade avançou, o reconhecimento profissional foi decrescendo à medida que surgiam novos talentos. Vê-se agora António só, na sua enorme casa, entre livros raros e obras de arte criteriosamente seleccionadas. Enfadado, avança entre canais, relembrando com um sorriso ainda sedutor, o que lhe haviam dito amigos: "A idade torna-nos mais exigentes e menos desejáveis."

Autoria e outros dados (tags, etc)

Comentar:

De
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.
Comentário
Máximo de 4300 caracteres

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • JOSÉ RONALDO CASSIANO DE CASTRO

    O Pretinho do Japão é citado, como profeta, em Ram...

  • Anónimo

    Quando a sorte é maniversa nada vale ao desinfeliz...

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...

subscrever feeds