Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Nada.

por Fernando Lopes, 14 Jan 13

Gostava de ser nada. Estou cansado de ser cidadão, contribuinte, eleitor, trabalhador, pai, marido, colega, amigo, leitor, ouvinte, condutor, cliente, irmão, filho, e todos esses papéis ridículos que nos obrigam a assumir neste romance de má qualidade que é vida. Quero ser um zigoto, feliz, quente, ignorante e ignorado, num qualquer ventre materno. Quero olvidar obrigações, deferências e responsabilidades. Sentir nada, a nada ser obrigado. Abstrair-me de emoções, angústias e dúvidas. Nada excepto silêncio e tranquilidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

3 comentários

De Uma Rapariga Simples a 17.01.2013 às 11:23

Existir sem ser.
Como me apetecia.

De Fernando Lopes a 17.01.2013 às 13:49

Problemas ontológicos pela manhã? Eu sei, que tu sabes, que nós sabemos .... ;)

De Uma Rapariga Simples a 17.01.2013 às 13:52

Por acaso foi uma coisa que já escrevi na Correspondência Íntima e que me pareceu apropriado. :)

Comentar:

De
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.
Comentário
Máximo de 4300 caracteres

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

subscrever feeds