Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Um país em greve … se pudesse

por Fernando Lopes, 12 Jul 12

Privado dos canais por cabo, com um acesso à net mais do que medíocre, sinto-me completamente limitado no acesso à informação. Resta-me o jornal i e os telejornais dos canais generalistas. No debate do Estado da Nação, PPC mostrou-se particularmente preocupado com merda e ventoinhas. "Não atiraremos porcaria para a ventoinha", disse o PM. Infelizmente, como todos já nos apercebemos, a merda está feita e a ventoinha empunhada pela troika encarrega-se de a espalhar por todo o continente, sendo agora a vez de Espanha. Uma nova fúria austeritária, desta vez numa nação com mais de 20% de desempregados, não terá certamente um final feliz.

 

O povo português consegue surpreender-me positivamente de quando em vez. E fê-lo ao apoiar a greve dos médicos de um modo firme e inequívoco. Em vez de atacarem as "classes privilegiadas", os inquiridos mostravam-se compreensivos e solidários com os motivos que conduziram os médicos à greve e principalmente com a defesa do SNS. Não fosse o medo, a precariedade laboral e os baixíssimos salários que não permitem abdicar de um dia de vencimento, e parece-me que Portugal inteiro entraria em greve.

Autoria e outros dados (tags, etc)

2 comentários

De Xana a 13.07.2012 às 23:26

Por mim caro Fernando, já sabes: é um prazer ler-te diariamente apesar de me manter aqui caladita. E os posts continuam como sempre: supimpas!
Quanto a este assunto concordo em absoluto contigo. E foi confrangedor (apesar de ter feito soltar umas gargalhadas) ver os "repórteres" em centros de saúde e hospitais a tentar encontrar pessoas indignadas com a greve e só a encontrarem gente solidária (e, ok, alguns resignados...).
Grande abraço e beijos para as meninas,
Xana

De Fernando Lopes a 13.07.2012 às 23:50

Xana,

Há valores que um tecnocrata não consegue compreender. A Paulo Macedo aplica-se o princípio de Peter . Bem nascido, não entende o valor simbólico e não só, do SNS. Todos os cidadãos em igualdade perante a doença, é um factor unificador e de coesão social. Jornalistas, temo-los bons e independentes e merdosos e serventuários como em todo o lado. Mas foi de facto confrangedor o procurar indignação onde existia empatia.

beijo e um abraço apertado do clã

Comentar:

De
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.
Comentário
Máximo de 4300 caracteres

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

subscrever feeds